Histórico - 2003

 

Seminário de Roteiro Audiovisual

Seminário realizado de 04 de abril a 17 de maio de 2003, no CINUSP, à Rua do anfiteatro, 181, favo 04, Colméia, Cidade Universitária – USP – SP, e no CEUMA – Centro Universitário Maria Antônia – sala 100, à Rua Maria Antônia, 294.
Realização: CINUSP /EDUCINE
Coordenação Geral: Profa. Dra. Maria Dora Mourão
Coordenação Pedagógica: Newton Cannito

Programação:

Aula 1: Quais são Suas Intenções? Em Busca do Roteiro
Princípios de roteiro para cinema: a importância da imagem, a antecipação da filmagem. A importância da idéia. Os instrumentos de um roteiro: idéia, sinopse, escaleta, primeiro e segundo tratamento. Exercícios de elaboração coletiva de uma escaleta a partir da sinopse. Exercício prático de construção conjunta de roteiro: da sinopse a escaleta. A construção do ponto de vista e o controle de informações pelo roteirista: o narrador delegado e sub-narrador.
Prof. Newton Cannito

Aula 2 : Os Fundamentos da Criação: As Técnicas da Arte
A personagem como fundamento do roteiro. A imagem humana como princípio da criação do roteiro. Os arquétipos como suportes das personagens. A personagem como expressão da experiência humana e matéria viva na geometria da história.
Prof. Julio Maria Pessoa

Aula 3: Grandes Categorias Narrativas I: Tragédia e Comédia
A identificação das diferentes estruturas narrativas será analisada a partir das relações entre estilização, construção dos personagens, enredo, ponto de vista geral e curva dramática. Será feita a análise de filmes a tendo em vista os tópicos apresentados.
Prof. Leandro Saraiva

Aula 4: Grandes Categorias Narrativas II: Comédia e Farsa
Os mesmos procedimentos da aula anterior serão utilizados agora na identificação da comédia e da tragédia.
Prof. Fábio Diaz Camarneiro

Aula 5: Gêneros Industriais: Demanda Social e Repertório
Análise dos “elementos exteriores” na construção dos gêneros estratificados do cinema hollywoodiano.
Prof. Luiz Montes

Aula 6: Para além do Drama: O Lírico e do Épico no Cinema
Identificação dos limites do drama através da exemplicifação de rupturas da imediaticidade clássico-dramática, tanto na estrutura geral, como em momentos específicos.
 Prof. Leandro Saraiva

Aula 7: A Construção Cênica
A aula apresentará questões relativas à construção do diálogo, a mise-em-scène, estilizações, modulações de tom, jogo de ponto de vista e curva dramática.
Prof. Newton Cannito

Aula 8: Segundo Tratamento: Parte I
Análise da curva dramática geral, do tom e do ritmo tendo em vista os procedimentos de análise que estruturam a elaboração do segundo tratamento do roteiro.
Prof. Luiz Montes

Aula 9: Segundo Tratamento: Parte II
Análise e discussão conceitual sobre elipses, repetições, antecipações, fusões cortes. Esta aula completamenta a aula anterior e finaliza o curso delimitando o campo conceitual e prático necessário a construção do roteiro.
Prof. Newton Cannito

Palestra 1: Bráulio Mantovani
Debate com um dos maiores roteiristas do cinema brasileiro, autor de Cidade de Deus.

Palestra 2: Marçal Aquino
Atuando na fronteira entre literatura e cinema, Marçal Aquino se fixou nos últimos anos como um dos mais importantes escritores brasileiros, autor de best-sellers como O Chalaça, do filme O Invasor

Palestra 3: Cacá Diegues
Debate com um dos maiores cineastas da história do cinema brasileiro, diretor de Xica da Silva e Bye Bye Brasil, estreou este ano Deus é Brasileiro.

Palestra 4: Alain Fresnot
Alain Fresnot, diretor de Amor que fica, Ed Mort e do recente Desmundo, irá debater as relações entre roteiro, direção e produção através de suas obras.
 
 
**********
 
Seminário de Cinema e História

Seminário realizado de 05 de abril a 10 de maio de 2003, no CEUMA – Centro Universitário Maria Antônia – sala 100, à Rua Maria Antônia, 294.
Realização: CINUSP /EDUCINE
Coordenação Geral : Profa. Dra. Maria Dora Mourão
Coordenação Pedagógica: Newton Cannito

Programação:
 
Aula 1: As Diversas Relações Entre Cinema e História
Pretende-se discutir a historiografia dedicada ao tema cinema e história, a partir da análise de um dos autores responsáveis pela constituição de uma determinada tradição: Marc Ferro. Além disso, dando continuidade ao estudo da produção historiográfica sobre o tema, apresentaremos os historiadores que dialogaram com as matrizes da chamada New Film History, cujo principal expoente é Robert Rosenstone. Por fim, proporemos uma abordagem específica para a questão a partir do exame dos pontos de conexão entre o discurso histórico e o discurso cinematográfico.
Profs. Eduardo Morettin e Maurício Cardoso

Aula 2: A Narração em Cinema
Orientações gerais de Macroanálise, tendo em vista possibilidades concretas de interpretação. Neste encontro, a ênfase será metodológica, embora não seja específica para o trato pedagógico. Os trechos de filmes serão escolhidos a partir dos tópicos abordados. Além disso, serão apresentadas algumas análises macroestruturais de filmes bastante conhecidos.
Prof. Leandro Saraiva

Aula 3: Representações da História no Cinema
A favela no cinema nacional
Análise das diversas representações da favela no cinema brasileiro, através de um conjunto de filmes, dentre os quais Rio 40º (Nelson Pereira dos Santos, 1945), Rio Zona Norte (Nelson Pereira dos Santos, 1947) e Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2002).
Prof. Cláudio Almeida

Aula 4: Representações da História no Cinema
O descobrimento e o bandeirantismo
Análise do tema do descobrimento e do bandeirantismo através do exame dos seguintes filmes: Descobrimento do Brasil (1937) e Os Bandeirantes (1940), ambos de Humberto Mauro; O Caçador de Diamantes (1934), de Vittorio Capellaro; O Caçador de Esmeraldas (1980), de Oswaldo de Oliveira; No Coração dos Deuses (1999), de G. Moraes; e um trecho de Terra em Transe (1967), de Glauber Rocha.
Prof. Eduardo Morettin 

Aula 5: Representações da História no Cinema
A ditadura militar
Análise de filmes sobre o regime militar e a guerrilha, tendo em vista a compreensão de diferentes representações fílmicas sobre o mesmo tema. Serão exibido trechos de O que é isso Companheiro? de Fábio Barreto, Lamarca de Sergio Rezende e da minissérie Anos Rebeldes de Gilberto Braga
Prof. Newton Cannito

Aula 6: Representações da História no Cinema
O holocausto no cinema
Nesta aula, discutiremos as relações entre o discurso cinematográfico e histórico a partir do exame de suportes audiovisuais que representam o tema do Holocausto, a saber, a minissérie de televisão norte-americana, Holocausto (1979), de Marvin Chomsky, e os filmes Shoah (1985), de Claude Lanzmann, e A Lista de Schlinder (1993) de Steven Spielberg.
Prof. Eduardo Morettin

Aula 7: Exercício e Análise I
São Bernardo, Leon Hirszman e Os Inconfidentes, Joaquim Pedro de Andrade
Análise de dois filmes a partir de pesquisas acadêmicas, identificando a trajetória de pesquisa e as diferentes abordagens tendo em vista um único objetivo final: o desvendamento das relações sociais e dos processos históricos envolvido s na construção da obra cinematográfica. A partir dos filmes pode-se refletir sobre as diferentes posições entre os cineastas e a ditadura militar no Brasil.
Prof. Maurício Cardoso

Aula 8: Exemplo de Análise II
La Ultima Cena, Tomas Gutierrez Alea
A análise do filme de Gutierrez Alea oferece um campo de interpretação às relações entre o cinema cubano e a revolução, tendo em vista a trajetória do mais aclamado diretor da ilha.
Profª. Mariana Villaça 

 
**********
 
Seminário de Dramaturgia: Teatro, Cinema e Televisão

Seminário realizado de 24 de maio a 05 de julho de 2003, no CINUSP, à Rua do anfiteatro, 181, favo 04, Colméia, Cidade Universitária – USP – SP, e no CEUMA – Centro Universitário Maria Antônia – sala 100, à Rua Maria Antônia, 294.
Realização: CINUSP /EDUCINE
Coordenação Geral: Profa. Dra. Maria Dora Mourão
Coordenação Pedagógica: Newton Cannito

Programação:
 
Aula 1: Teatro Grego
A aula discute o surgimento do teatro grego e suas duas grandes manifestações: a tragédia - que tem sua origem no culto ao deus Dioníso - e a comédia, como crítica aos costumes sociais.
Prof. Antonio Medina Rodrigues

Aula 2: Shakespeare
Um panorama da obra e da importância de Shakespeare baseado na discussão sobre as comédias, as tragédias e as peças históricas do autor. A partir de Otelo será discutidos o estatuto da tradução e o processo de criação cênica dos textos canônicos.
Prof. Maria Silva Betti

Aula 3: Diderot e as Origens do Melodrama
Análise da estética de Denis Diderot a partir de sua atividade como dramaturgo e crítico de arte, tendo em vista seu papel predominante na superação do teatro clássico francês e no surgimento de uma nova proposta teatral mais sintonizada com a experiência burguesa.
Prof. Luis Fernando Franklin de Matos

Aula 4: Alternativas do Teatro Popular: Teatro de Revista Brasileiro
Análise histórica do Teatro de Revista, refletindo sobre os textos e os espetáculos teatrais. Destaca-se, sobretudo, os aspectos dramaturgos e as encenações mais marcantes deste fenômeno teatral revisteiro que, já vindo carnavalizado para o Brasil, aqui encontrou seu cenário ideal
Prof. Neyde Veneziano

Aula 5: Brecht e o Teatro Épico Brasileiro
A aula percorre a obra do dramaturgo e poeta alemão, responsável pela formalização do teatro épico moderno. Ao mesmo, destacam-se as experiências do Arena, do CPC e do Oficina como diferentes incorporações das teorias brechtinianas no Brasil.
Prof. Marcio Marciano / Sérgio Carvalho

Aula 6: Introdução à Comédia
A aula apresenta a tradição da comédia na cultura ocidental, como gênero consolidado no teatro, identificando contextos históricos integrados à história teatral. Além disso, reflete-se sobre a comédia no Brasil, em especial, a contemporaneidade da obra de Martins Pena.
Prof. Vilma Areas

Aula 7: Dramaturgia de Nelson Rodrigues: Teatro e Adaptações Para Cinema
Introdução à obra de Nelson Rodrigues, tendo em vista a identificação da estrutura do melodrama e das diversas adaptações para o cinema, em especial, as obras de Arnaldo Jabor.
Prof. Ismail Xavier

Aula 8: Orson Welles: Teatro, Política e Cinema
Análise da formação do teatro moderno norte-americano a partir da Frente Popular e do Federal Theatre, nos anos 30, destacando-se a trajetória de Orson Welles como dramaturgo, cineasta e militante da esquerda cultural norte-americana.
Prof. Iná Camargo Costa

Aula 9: Teatro de Vanguardas Históricas
A aula recupera as experiências das vanguardas no início do século XX, na Europa, tendo em vista as transformações estéticas e formais das novas propostas. Além disso, introduz o tema da repercussão das vanguardas no panorama do teatro brasileiro.
Prof. Silvana Garcia

Palestra 1: Walcyr Carrasco e Thelma Guedes
Palestra 2: Lauro César Muniz
Palestra 3: Maria Adelaide Amaral